usinga tool
Ultima atualização: 10 de fevereiro de 2020

Como escolhemos

7Produtos analisados

18Horas investidas

3Estudos avaliados

62Comentários coletados

Seja você um marceneiro profissional ou apenas um apaixonado pelo artesanato em madeira e faz alguns trabalhos por hobby, já deve saber que poucas ferramentas podem ajudá-lo tanto quanto uma tupia manual. Seja para molduras, acabamentos ou entalhes, ela é a ferramenta que garante um acabamento perfeito aos seus trabalhos na madeira.

A tupia manual é um aparelho compacto, simples de utilizar e com muitas funcionalidades que a tornam única. Se você ainda não sabe tudo o que essa ferramenta pode proporcionar à sua rotina de trabalho, siga conosco nos próximos parágrafos. Vamos mostrar todas as características da tupia e também o que é importante para uma boa compra.




O mais importante

  • A tupia manual é uma das ferramentas mais utilizadas no trabalho com madeira. Com ela, você pode construir baús, estantes, peças para decoração, montagem de móveis e molduras.
  • Ao contrário das tupias tradicionais, a manual é projetada para trabalhar em qualquer lugar. Pode ser facilmente transportada para utilizar onde você necessitar, seja em cada, no jardim, na oficina ou em uma obra externa.
  • O diâmetro da pinça é uma das características que não podem passar em branco quando for escolher a sua tupia manual. Quanto menor o diâmetro, mais preciso e delicado será o acabamento.

As melhores tupias manuais do mercado: nossas favoritas

A tupia manual ideal para iniciantes

Essa tupia laminadora é ideal para trabalhos de rebaixamento de cantos e quinas. Com potência de 530 watts, ela é alimentada por corrente 220V e alta rotação, de 30 mil rotações por minuto.

A estrutura compacta, unida ao revestimento antiderrapante para mais firmeza no manuseio, garante agilidade e conforto durante o trabalho. Com velocidade fixa, ela pode ser facilmente utilizada por iniciantes pessoas que ainda não tenham prática em acabamentos.

A tupia manual para entalhes delicados

A tupia da Vonder é Indicada uso em laminados, no trabalho de cortes e acabamentos. Além disso, garante delicadeza e precisão em entalhes, molduras e encaixes em madeiras.

Ela tem velocidade fixa e potência de 500 watts, com duas opções de diâmetro da pinça: 6 milímetros e 1/2 polegada. A embalagem acompanha, ainda, uma guia copiadora, uma guia para cortes curvos, uma placa de proteção e duas chaves.

A tupia manual com sistema de micro ajuste

Uma ferramenta completa, que agrada a marceneiros, artesãos e curiosos pelo trabalho em madeira. Essa tupia manual tem controle eletrônico e oferece três níveis de profundidade de corte com sistema de micro ajuste, para um trabalho ainda mais preciso.

Além da superfície antiderrapante, ela conta com gatilho com bloqueio para uso contínuo. Com potência de 1200 watts e coluna com seis fresas, oferece, ainda, encaixe para mangueira do aspirador de pó.

Guia de compras: O que você precisa saber sobre a tupia manual

A tupia manual é projetada para trabalhar em madeira ou metal, com a finalidade de fazer acabamentos decorativos. Essa ferramenta oferece muitas possibilidades no artesanato cm madeira ou mesmo na fabricação de móveis, graças aos numerosos acessórios que podem ser utilizados. Nesta seção, vamos esclarecer todas as suas dúvidas a respeito desse equipamento e todas as suas formas de uso. Acompanhe!

usinga tool

A tupia manual é um equipamento elétrico, com motor de cobre ou alumínio.
(Fonte: Photovs: 84333137/ 123rf.com)

Para que serve a tupia manual?

A tupia manual é um equipamento elétrico, com motor de cobre ou alumínio, que serve para fazer, de forma geral, acabamentos em madeira. É um tipo compacto da tradicional tupia utilizada em grandes trabalhos.

Normalmente utilizada em trabalhos artesanais, para entalhes e acabamentos em cantos e bordas, ela também pode ser usada para aplicar acabamentos detalhados em peças de móveis, molduras e outras tarefas profissionais.

Além da madeira maciça, a tupia manual pode ser utilizada sobre MDF, plástico, metal e até mesmo, placas de gesso, com a mesma qualidade de acabamentos e detalhes, como baixo relevo e outros tipos de trabalhos criativos.

Quais os tipos de tupia manual?

No mercado, é possível encontrar vários tipos de tupia. Cada uma delas tem um indicação seja sobre o trabalho ou o material em que será utilizada. As tupias de madeira, por exemplo, são desenvolvidas para uso exclusivo na madeira e seus derivados.

Abaixo, você pode conferir uma tabela com os principais tipos de tupia, suas características e destinações mais comuns:

TipoTrabalhoPotênciaMaterialCaracterísticas
Tupia manual ou de superfícieTrabalhos de decoração e artesanato500-1000 WMDF

Plástico

Metal

Gesso

Máquinas compactas, para artesanato
Tupia de madeiraTrabalhos profissionais1000 – 1400 WMadeiraPara carpintaria
Tupia universal Qualquer tipo de trabalho2000 – 3000 WMetais ferrosos e não ferrosos

Madeira

Concreto

É mais versátil

De uso comum em oficinas

Tupia circularRelevos, peças de montagem, como bolachas de madeira e cortes angulares800 – 900 WMadeira

Metal

Máquinas especializadas

Há outras formas de classificar a tupia manual?

A classificação dos diferentes tipos de tupia manual é muito importante na hora de escolher a melhor ferramenta. Para tanto, é importante levar em conta, também, a classificação baseada no sistema de eixos da tupia. Para esclarecer as diferenças, apresentamos a seguinte tabela:

Tipo de eixos Descrição
Três eixosO mais comum

Utiliza um sistema X x Y x Z, o clássico sistema cartesiano de coordenadas

Quatro eixosIgual ao anterior

Neste caso, há mais controle sobre a peça e seu giro, podendo ser estabelecido um ponto de origem como referência

Pode ser controlada por meio de uma guia ou prato giratório

Cinco eixosMais complexo

Ideal para fabricar peças maiores e mais detalhadas

Pode se controlar o giro da peça, o nível de inclinação e outras configurações

Quais são os tipos de fresa para tupia?

A fresa é uma pequena peça que, encaixada na tupia manual, é responsável por realizar o corte do material. Ela tem movimento circular e é capaz de alcançar até 30 mil RPM (rotações por minuto) de velocidade.

Para eleger a fresa mais adequada, é fundamental ter em mente o material que será utilizado e o tipo de trabalho a realizar. Na tabela que segue, você encontra o detalhamento dos tipos de fresa e seus usos mais comuns:

UsoTipoTamanho
RetaCilindro reto4 mm

6 mm

8 mm

10 mm

Rasgo em “U”Cabeçote redondo1,5 mm

2,5 mm

5 mm

Arredondada para molduraCabeçote redondo com rolamento10 mm
Quebra cantoCabeçote arredondado com rolamento1/4 pol ou 3/8 pol
ChanfradoCabeçote triangular com rolamentoNormalmente 45º
Meia canaCabeçote arredondado20, 25, 30 e 35 mm são as mais comuns
Cilíndrica para rasgoCabeçote redondo com rolamento e haste de corte horizontalDe 5 a 25 mm de acordo com a profundidade do corte

Que parâmetros podem variar de uma tupia para outra?

Tanto o tipo de corte, a velocidade e o movimento da ferramenta. Todos esses são parâmetros que devem ser considerados de acordo com a operação e em função do material que será trabalhado, além do material e tamanho da própria tupia manual. Veja em detalhes:

  • Alimentação de corte: é a velocidade com que a fresa e a tupia avançam durante o corte do material. Costuma ser medido em polegadas por rotação (IPR). Normalmente, a tupia permite configurar a velocidade desejada;
  • Velocidade de corte: consiste na velocidade com que a peça do trabalho corre com relação à ferramenta durante o processo de corte;
  • Velocidade do fuso: é a velocidade de rotação do próprio fuso da tupia e da fresa em utilização. A medida convencional é de rotações por minuto (RPM);
  • Velocidade de avanço: refere-se à velocidade do movimento da ferramenta de corte com relação à peça que está sendo trabalhada à medida em que se realiza o corte;
  • Profundidade de corte axial e radial: a profundidade axial é a que medida formada pelo próprio eixo. Já a radial depende do diâmetro do fuso e da fresa. Para a axial, é necessário uma baixa velocidade de avanço e para a radial, velocidade mais alta.
Manual sander

No mercado, há vários tipos de tupia manual. Cada uma delas é mais indica para um tipo específico de trabalho. (Fonte: D Hale: 11645220/ 123rf.com)

É importante que a tupia manual tenha regulagem?

O ajuste fiel e preciso da regulagem de uma tupia manual é um dos principais fatores que separam uma boa e uma má ferramenta. A configuração da máquina se resume, basicamente, em três aspectos: profundidade do corte, parada de altura e inclinação da placa frontal.

Para não colocar em jogo a qualidade do trabalho, a recomendação é procurar sempre por uma tupia manual com ajuste milimétrico dessas configurações. Lembre-se que inclinação faz  toda a diferença em trabalhos como chanfrados e cantos mitrados.

Como utilizar a tupia manual?

A tupia manual é uma ferramenta simples, principalmente se comparada às de bancada. Apesar de não requerer muita prática, há algumas orientações básicas que devem ser seguidas para um bom resultado no trabalho. Siga esse passo a passo:

  • Regule a profundidade do corte conforme desejar. Uma vez regulada, bloqueie a peça para manter o ajuste escolhido;
  • Não comece a trabalhar diretamente na peça. Coloque a ferramenta em funcionamento fora da peça e avance lentamente em direção a ela;
  • Deixe a máquina deslizar lentamente, de forma regular e sem exercer pressão demasiada sobre a máquina ou a peça;
  • Se desejar um corte mais profundo, é aconselhável realizar várias passadas pelo mesmo local, evitando forçar a ferramenta para aprofundar o corte;
  • Quando chegar à extremidade da peça trabalhada, retire a fresa da madeira e desligue a tupia apenas quando não estiver mais em contato com o material.

Quais os principais cuidados com a tupia manual?

A tupia manual é uma máquina projetada para trabalhos delicados. Portanto, é preciso ter alguns cuidados especiais tanto no uso quanto na limpeza e manutenção do equipamento. Sem a devida atenção, os acabamentos aos poucos deixarão de ter a mesma qualidade.

Para que isso não aconteça com a sua tupia manual, preparamos algumas dicas de cuidados essenciais para manter a ferramenta como nova por mais tempo:

  • Remova todas as lascas e pó de serra tanto da zona de corte quanto no fuso e na fresa. Para facilitar, utilize uma escova de mão, um pincel ou pano seco;
  • Limpe os filtros do motor, não deixe que o pó de serra obstrua as entradas e saídas de ar para não superaquecer o motor;
  • O fuso deve estar se manter bem lubrificado a todo momento;
  • Conserve as guias de deslizamento sempre em bom estado. Se tiver avarias, a máquina não correrá bem sobre a peça e será mais difícil realizar o trabalho;
  • Controle sempre o movimento do fuso. Ajuste as pinças caso perceba que estão gerando jogo na fresa.

Como usar a tupia manual com segurança?

Sempre que falamos de máquinas elétricas e potentes, com peças de corte ou perfuração, os cuidados com a segurança devem estar sempre em primeiro lugar. Por esse motivo, preparamos uma lista de medidas de segurança para que você utilize a sua tupia manual sem riscos:

  • Utilize óculos de proteção, máscara contra o pó e protetores auriculares;
  • Use luvas reforçadas;
  • Trabalhe sempre segurando a tupia com as duas mãos;
  • Não tire a fresa logo após o uso, pois ela estará muito quente. Para trocá-la, esteja sempre com a tupia desligada e desconectada da tomada;
  • Após finalizar cada trabalho, limpe a máquina, seguindo as orientações desse guia — e também as do fabricante — e a mantenha guardada quando não estiver em uso.
man using an industrial sander

A precisão dos ajustes da tupia manual é uma característica que diferencia uma boa e uma má ferramenta. (Fonte: Hudson: 15379126/ 123rf.com)

Critérios de compra

Chegando a este ponto da leitura, você certamente já sabe tudo o que precisa sobre a tupia manual e seu funcionamento. No entanto, como sabemos que observar algumas particularidades técnicas é fundamental para uma boa escolha, preparamos um apanhado com os principais critérios de compra. Vamos a eles?

Potência

É ela quem determina a capacidade de trabalho da sua tupia manual. Esse fator se mede em watts. No mercado, é possível encontrar modelos que vão dos 500 aos 2000W. De forma geral, as de potência menor são as mais adequadas para materiais mais maleáveis

A tupia com potência superior a 100W é indicada para trabalhos profissionais, em marcenarias ou carpintarias — ou peças em grande escala, que exigem a máquina ligada por muito tempo. Considere bem a sua necessidade para não fazer um investimento desnecessário.

using a sander

As fresas, pequenas peças que se encaixam sobre a tupia manual, são as responsáveis pelo corte do material. (Fonte: Karafillidis: 19973709/ 123rf.com)

Velocidade

A velocidade da tupia manual é o que determina, de certa forma, a qualidade do acabamento e a agilidade do trabalho. Entre os modelos disponíveis, você irá encontrar máquinas que vão desde os 10 mil RPM até 35 mil rotações por minuto.

O ideal é adquirir um modelo em que a velocidade possa ser ajustada, principalmente se você pretende trabalhar com uma grande variedade de peças e materiais. No entanto, se a tupia será utilizada para aprimorar o seu hobby, por exemplo, um modelo de velocidade fixa pode ser suficiente.

Dimensões

Apesar de parecer irrelevante, as medidas da tupia manual podem influenciar diretamente na qualidade do trabalho. Isso por que as dimensões interferem na forma como você vai manusear a máquina. Se ela for pesada e incômoda, seu trabalho será dificultado.

Caso escolha uma máquina mais potente — e por consequência maior e mais pesada — dê preferência aos modelos de coluna, que possuem dois cabos paralelos e podem facilitar a operação da tupia manual.

Diâmetro da pinça

Medida em milímetros, há pinças de 6, 8 e 12 mm. Quanto maior o diâmetro da pinça, mais possibilidade de utilizar fresas mais espessas — e vice-versa —. Esta é, portanto, a peça que determina com que medidas de fresa a tupia manual pode trabalhar.

A pinça de 12 milímetros ou mais é normalmente utilizada para trabalhos que precisam de mais potência e, por isso, são mais comuns nas máquinas maiores. Neste caso, a tupia manual costuma ter sistema de troca de pinças para possibilitar o uso de muitas medidas de fresas.

Profundidade e longitude

A função da tupia manual é, precisamente, penetrar no material e criar sulcos os ranhuras ao longo da peça. Em resumo, a máquina “elimina” o material que está no espaço por onde ela passa.

A capacidade de cortar e remover o material determina a profundidade e a longitude do corte, e varia de acordo com a potência da ferramenta e com a fresa utilizada. Na hora de escolher, fique atento à capacidade mínima, que deve ser de 40 milímetros.

Resumo

A tupia manual vai permitir que você realize todos os tipos de artesanato com madeira que deseje. É a ferramenta que não pode faltar nas bancadas dos marceneiros e carpinteiros, pois garantem acabamento perfeito às peças, com detalhes de arredondamento das bordas e até entalhes criativos e delicados.

Para que isso seja possível, no entanto, é preciso contar com uma boa tupia manual, que esteja de acordo com as suas necessidades. Para ajudar na escolha, mostramos aqui os pontos principais sobre o funcionamento e manutenção dessa versátil máquina. Além disso, destacamos os critérios que não podem ser esquecidos na hora da compra. Dessa forma, seu investimento será pautado em aspectos técnicos e funcionais.

Se você gostou do nosso guia e acredita que pode ser útil a outras pessoas, não deixe de compartilhar em suas redes sociais. Muito obrigado e mãos à obra!

(Fonte da imagem destacada: Srichanchom: 89875595/ 123rf.com)

Por que você pode confiar em nós?

Luiz Felipe Andrade Manutentor profissional
Luiz Felipe herdou do pai, mestre de obras, a paixão pelas ferramentas. Tanto é que desde cedo decidiu seguir uma carreira que poucas pessoas sabem que existe: a de manutentor profissional, ou seja, a pessoa que é especialista em manutenções. Com tanto conhecimento na área, resolveu compartilhar o que sabe com o público que, como ele, ama criar e consertar.
Vera Pereira Redatora/Editora
Jornalista, especialista em produção de conteúdo digital, tem na escrita a sua maior paixão. Adora investigar, apurar fatos e reconstruir histórias. Por isso, atua na pesquisa e adaptação dos conteúdos internacionais à realidade e legislação brasileiras.